Alianças e Sangue

Ir em baixo

Alianças e Sangue

Mensagem por Freya em Sex Jan 26, 2018 9:25 pm




Trama
Quando Odin e Thor, tal como algumas outras divindades, deram seu último suspiro naquela guerra criada por eles próprios, o choro de suas duas crianças se fez ouvir no quarto da deusa do amor e luxuria. Um casal de gêmeos que nasceram, segundo os presentes na hora, segurando a mão um do outro. E, quando o anuncio do fim da guerra e vitória de Loki chegou aos salões da divindade da guerra, um sorriso singelo havia surgido nos lábios da bela Freya. Ela havia alertado, mais de uma vez, que aquela maldita guerra resultaria apenas em um fim desnecessário, entretanto os Aesir recusaram-se a ouvir as palavras da bela deusa e encerraram seu próprio destino - de sangue e morte, ela dizia. Infelizmente, os sobreviventes perceberam tarde demais que aquela deusa, com humor tão instável por seus domínios, estava certa e Odin havia agido por puro impulso, medo ou irracionalidade.

O deus da trapaça, quando se sentou ao trono, fez de Freya sua rainha e juntos passaram a governar os nórdicos, com o clã Vanir possuindo uma posição de prestigio maior do que nos tempos do auge de Odin. Os gigantes, em sua maioria, regressaram para Jotunheim e os poucos que decidiram ficar em Asgard faziam, agora, parte da corte de Loki. Fenris e Jörmungandr se encontravam libertos, ambos passando a residir junto aos deuses e demonstrando uma faceta menos... Inclinada ao sangue e a morte. As duas crianças que a deusa do amor dera a luz? Apenas a garota sobreviveu. Junto dela, outro jovem deus, este filho de Loki com uma mãe desconhecida, foi criado junto a ela. Azarov e Lilya, os novos deuses nórdicos nascidos em lugares diferentes e no último segundo do Ragnarok. Era o preludio de novos tempos, os deuses diziam e ambos preferiam acreditar que seria assim.

Mas muitos dos velhos costumes e hábitos ainda existiam entre os nórdicos, fazendo com que Loki e seu filho ainda fossem vistos com desconfiança. Freya e sua jovem filha ainda eram alvo do desejo de muitos homens e deuses e da inveja das mulheres. Os jotun mantinham distancia da mais velha, por respeito à Loki, mas foi o máximo que fizeram. Divindades ainda desconfiavam que estava por vir algo pior do que a derrota trágica de Odin e seus exércitos, mas não sabiam o que seria ou quando iria vir. Sob orientação da bela rainha, os exércitos foram ampliados e refeitos de modo a ter equilíbrio entre magia, defesa, ataque, combate a distância e suporte. Se Loki se metia? Ele concordava apenas que a nova esposa era mais indicada para aquilo do que ele, portanto deixava-a tomar as decisões quanto a isso.

Quando os jovens deuses assumiram a idade de quinze anos ou seu equivalente divino, foram enviados para o Acampamento Grego como uma proposta de paz para os deuses greco-romanos. Passariam metade do ano em um Acampamento e outra metade em outro, convivendo com os semideuses daquela cultura. O período de tempo era indeterminado, mas sabia-se que morariam por lá apenas o suficiente para ensinar os residentes sobre a cultura deles, apresentar suas formas de ver o mundo e permitir que se acostumassem com a aliança recém-formada com os nórdicos.
avatar
Freya

Mensagens : 42
Dracmas : 2782
Data de inscrição : 21/09/2017

Ficha do personagem
HP:
100/100  (100/100)
MP:
100/100  (100/100)
Mochila de Equipamentos:

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum